Home » Desenvolvimento Pessoal » Søren Kierkegaard e a fé inabalável
4 minutos de leitura

Søren Kierkegaard e a fé inabalável

A fé é a base da vida cristã, por isso, precisamos ter um bom entendimento do que ela realmente significa; alguns pensam que a fé é apenas o pensamento positivo, outros acreditam que ter em mente que Deus existe já é o bastante para que a fé seja comprovada, mas a pergunta que fica é: será mesmo que a fé provém desses parâmetros?

Com base em uma ideia muito parecida, o filósofo dinamarquês Søren Kierkegaard busca o entendimento da fé. Desta forma, Kierkegaard escreve sobre a crença de maneira profunda e contundente, por isso, devemos olhar com atenção para as obras desse filósofo. Observaremos, em específico, a obra intitulada Temor e Tremor, ao passo que Kierkegaard faz uma análise da história de Abraão e Isaque, especificamente, sobre o momento que Deus pede para Abraão sacrificar o seu próprio filho.

Para o tema proposto, o filósofo fará o uso de quatro ideia principais, as quais podemos chamar de quatro tipos de existências ou quatro estágios da existência, a seguir: 1) o herói estético; 2) o herói trágico; 3) o cavaleiro da resignação infinita; 4) o cavaleiro da fé. Detalhadamente, veremos cada pontuação.

O herói estético: Este tipo de existência é caracterizado pelo indivíduo que busca incessantemente o prazer e a satisfação estética na vida. O herói estético está focado na busca do prazer imediato, procurando experiências sensoriais e de realização pessoal. Esse modo de existência é marcado pela falta de compromisso e pela constante busca pelo novo e pelo excitante. No entanto, esse empenho pelo prazer pode levar à superficialidade e à falta de um significado duradouro na vida.

O herói trágico: O herói trágico, de acordo com Kierkegaard, é aquele que age de maneira ética, mas trágica, em um conflito entre o dever ético e a moralidade religiosa. Esse tipo de existência é exemplificado por figuras como Agamenon, enfrentando dilemas morais e éticos complexos. O herói trágico pode agir corretamente do ponto de vista ético, mas entra em conflito com princípios religiosos mais profundos, resultando em um choque de deveres.

O cavaleiro da resignação infinita: Este tipo de existência é representado por figuras como Jó do Antigo Testamento. O cavaleiro da resignação infinita é aquele que suporta o sofrimento e os desafios da vida com resignação e aceitação, sem esperar alegria ou felicidade neste mundo. É uma resignação que aceita os infortúnios e as dificuldades da vida como um componente inevitável da existência, sem esperança de redenção ou sentido neste mundo terreno.

O cavaleiro da fé: Este é o estágio mais elevado e complexo, representado por Abraão. O cavaleiro da fé é aquele que se submete à vontade divina de maneira absoluta, mesmo quando as exigências divinas parecem contradizer as normas éticas ou a razão humana. É um tipo de existência que exige um salto de fé para além da compreensão racional, uma entrega total e incondicional a Deus, transcendendo as limitações éticas e a lógica humana.

Esses quatro tipos de existência descritos por Kierkegaard representam diferentes abordagens para lidar com dilemas éticos, questões morais e a relação com o divino, cada qual apresentando seus próprios desafios e implicações para a existência humana.

Como dito anteriormente, o cavaleiro da fé, que é uma representação de Abraão, é o mais elevado destes estágios; isso se dá porque Abraão se rende ao absurdo, ou seja, essa palavra define o que chamamos de fé, bem como observamos o pedido de Deus para que Abraão sacrificasse seu próprio filho.

Sabemos que Deus é contra o homicídio, então, por que Ele pediria isso a Abraão? Neste ponto, enxergamos a fé de forma absurda, porque Abraão precisa se render a um pedido divino que contradiz a Sua essência. 

A fé está acima de qualquer um dos pontos levantados por Kierkegaard. Ela não é a busca pelos prazeres mundanos da vida (o herói estético); a fé não é a vivência ética e trágica (o herói trágico) e, muito menos, a resignação aos problemas (o cavaleiro da resignação infinita); a fé é, sobretudo, a rendição ao absurdo da revelação divina (o cavaleiro da fé).

https://www.livrariasfamiliacrista.com.br/a-historia-de-abra-o-soren-kierkegaard.html

Escrito por: Kennedy Carvalho

Revisado por: Bárbara Ondei

4.6/5 - Total de Avaliações: 19
Subscribe
Notify of
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x